Cultivo do Mogno Africano no Brasil

Originário da costa ocidental Africana, hoje, o Mogno africano ganha espaço no cenário mundial, sendo em tempos atuais a principal madeira nobre cultivada no Brasil.

Com interessante valor econômico, o Mogno africano tem excelente uso comercial, devido à raridade e beleza da madeira. É usada em movelaria, construção naval e em sofisticadas peças ornamentais.

Além do alto aproveitamento econômico o plantio do Mogno africano torna-se interessante pela capacidade de adaptação em todo território nacional, pela revitalização de áreas degradadas, cultivo em consórcio com demais espécies, tais como banana e café.

O plantio de Mogno africano requer técnicas e cuidados. O Instituto Brasileiro de Florestas (IBF) fomenta o plantio, oferecendo cursos de produção, visitas técnicas, insumos, manutenção e consolidação das florestas, garantindo todas as informações indispensáveis para o inicio e acompanhamento do plantio.

Nas palavras de Higino Martins Aquino, diretor de desenvolvimento do IBF, o investimento para 1 hectare de florestas de Mogno Africano gira em torno de R$15 mil reais, o que geraria um retorno de R$ 27 mil ao longo do ciclo e podendo gerar um proveito de R$ 500 mil no corte final, que varia entre 15 e 18 anos.

A busca pelo Mogno Africano deriva do seu alto valor agregado, destacando-se como um promissor investimento, visto que há um déficit por esta nobre madeira no panorama internacional, sendo sua procura cada vez mais requisitada.